Tradução para o inglês de "Tabacaria", de Álvaro de Campos: "Tobacco Shop"

I'm not anything.
I'll never be anything.
I cannot wish to be anything.
That aside, I have within all the dreams of the world.

Oh, windows of my room,
Of one of the millions of rooms in the world, which no one knows which is
(And, if they did, what would they know?)
Facing the mistery of a street constantly crossed by people,
Of a street inaccesible to all thought,
Real, impossibly real, certain, unknowingly certain,
With the mistery of things under the stones and beings,
With death puting humidity on walls and white hair on men,
With Destiny conducting the charriot of everything through the highway of nothing.

Today, I'm vanquished, like I knew the truth.
Today, I'm lucid, like I was about to die,
And felt fraternity with things no more
Or maybe just a farewell, becoming this house and this side of the street
A line of charriots from a convoy, and a whistled parting
From inside my head,
And a jerk of my nerves and a gritting of bones at leaving.

Today, I'm confused, like someone who thought and realized and forgot.
I'm torn between the loyalty I owe
To the Tobacco Shop of the other side of the street, like a real thing from the outside,
And to the sensation that everything is dream, like a real thing from the inside

I've failed everything.
Since I had no purpose, perhaps everything was nothing.
The schooling given to me,
I descended from it through the rear of the house,
And went to the fields with great resolution.
But there, I only found grass and trees,
And, when there were people, they were all the same.
Backing off from the window, I lay in my chair. What shall I think of?

What do I know of what I'll become, myself not knowing what I am?
To be what I think? But I think to be so much!
And there are so many thinking to be the same that there cannot be that many!
Genious? Right now
One hundred thousand brains conceive themselves, in dream, genoiuses like me,
And history won't mark, who knows? No one,
Nor there will have but manure of so many future achievements.
No, I have no faith in myself.
In all asylums there are so many insane inmates with so many convictions!
And I, having none, am either more or less correct?
No, not even me...
At how many balconies and not-balconies of the world
Are not at this time geniouses-to-themselves dreaming?
How many noble and high and lucid aspirations
Yes, truly noble and high and lucid -,
And who knows if feasible
Will never see the sunlight not even find the people's hearing?
The world is for those who are born to conquer it
Not for those who dream that could do it, even if they're right
I've dreamt more than Napoleon did.
I've held against my hipotethical chest more humanities than Christ,
I've made philosophies in secret that no Kant has ever written.
But I am, and perhaps will always be, that from the balcony,
Even not living in it;
I'll always be the one not born for this;
I'll always be only the one that had potential
I'll always be the one that waited for the door to be opened at a wall without a door
And sung the song of the Infinite in a grassland,
And heard God's voice in a shut well.
To believe in myself? No, not even in anything.
Pour Nature on my scorching head
Its sun, its rain, its wind that finds my hair,
And the rest, come it if does, or if it has to, or don't.
Cardiac slaves of the stars,
We conquer the world before raising from bed;
But we wake up, and it's dim,
We rise, and it's foreign,
We get outside, and it's the whole Earth
Plus the Solar System and the Milky Way and the Indefinite.

(Eat chocolates, little girl;
Eat it!
See that there is no more metaphysics in the world but chocolates.
See that religions teach no more than the candy shop.
Eat it, filthy girl, eat it!
If only could I eat chocolates with the same truth that you do!
But I think and, by ripping the silver wrap, which is tinfoil,
I drop it all on the floor, like I've dropped my life.)

But at least remains from the bitterness of what I'll never be
The quick manuscripts of these verses,
Shattered doors to the Impossible,
But at least I consecrate myself by this tearless contempt,
Which is noble, for being this ample gesture with which I throw away
The dirty clothes that I am to the course of things,
And rest shirtless at home.

(You, that consolates, that does not exist and because of that consolates,
Or Greek goddess, conceived as a living statue,
Or Roman patrician, impossibly noble and nefarious,
Or minstrels' princess, most gentle and colorful,
Or duchess from the eighteenth century, distant and wearing low-cut,
Or famed cocotte from the time of our parents,
Or a don't-know-what modern – I can't well conceive what -,
All this, be it whatever, if it can inspire, then inspire!
My heart is an emptied bucket.
Like those who summon spirits summon them, I summon myself,
And find nothing.
Coming to the windows, I see the street with an absolute distinctness.
I see the stores, the sidewalks, the passing cars,
I see the dressed living beings that cross upon themselves,
I see the dogs, that also exist,
An all that weights me down, like a condemnation to exile,
And all that is foreign, like everything else.)

I lived, studied, loved, and even believed,
And, today, there's no beggar that I do not envy, just for not being myself.
I look upon the rags and the scars and lies,
And think: perhaps you never lived or studied or loved or even believed
(Because it is possible to make the reality of it all doing nothing of it);
Perhaps you only have been existing, like a lizard that has the tail cut
And that is a wiggling tail beyond the lizard.

From myself, I made what I knew not,
And what I could have, I didn't.
The costume I wore was wrong.
They soon knew me as what I wasn't, and I didn't deny it, and lost myself.
When I wished to take off the mask,
It was glued to my face.
When I did, and looked upon the mirror,
I was old already.
I was drunk, and knew no more to dress the costume I didn't take off.
I tossed away the mask and slept at the changing room
Like a dog tolerated by the manager
For being harmless
And I'll write this story to prove that I'm sublime.

Musical essence of my useless verses,
If only could I meet you as a thing made by me,
And wouldn't stand always in front of the Tobacco Shop in front of me,
Treading at my feet the conscience of existing,
Like a mat in which a drunkyard trips on
Or a carpet that the Gypsy stole and was worth nothing.

But the owner of the Tobacco Shop came by its door and stood by it's door.
I look upon him, with the discomfort of the stretched head
And with the discomfort of the not-understanding soul.
He shall die and I shall die.
He shall leave the tablet, I shall leave verses.
At some point, shall also die the tablet and the street where the tablet was,
And the language in which were written the verses.
Afterwards shall die the spinning planet in which all that occured.
In other satelites of other systems anything like people
Shall keep doing anything like verses and living under anything like tablets,
Always one thing in front of the other,
Always one thing as useless as the other,
Always the impossible as stupid as the real,
Always the mistery of the depths as certain as the dreams of misteries of the surface,
Always this, or always that, or not even one thing nor the other

But a man entered the Tobacco Shop (to buy tobacco?),
And the plausible reality falls suddently upon me.
I stand, feeling vigorous, convinced, human,
And intend to write these verses, in which I say the opposite.

Lighting a cigarette by the thought of writing them
I savor, in my cigarette, the liberation of all thoughts.
I follow the smoke like my own route,
And enjoy, in a sensitive and competent moment,
The freedom from all speculation
And the conscience that metaphysics is a consequence of being uneasy.

Then I lie comfortably in my chair
And keep smoking.
While Destiny allows me, I shall keep smoking.

(If I married my maid's daughter
Perhaps I'd be happy.)
This considered, I raise from the chair, going to the window.

That man left the Tobacco Shop (sticking the change in his pants' pockets?).
Oh, I know him: it's no-metaphysics-Steve.
(The Tobacco Shop's owner came by the door.)
Like guided by some divine instinct, Steve turned around and saw me.
He waved at me and I yelled Farewell, oh, Steve!, and the Universe

Rebuilt around me without ideal or hope, and the Tobacco Shop's owner smiled.

Tradução do conto "The king that was not", de Lord Dunsany: "O rei que não era"

  A terra de Runazar não tem reis, nem jamais os teve; e consta na lei da terra de Runazar que, visto que nunca teve reis, que não os terá jamais. Portanto, em Runazar, reinam os clérigos, que contam ao povo que nunca, em Runazar, houve um rei sequer.

  Althazar, Rei de Runazar, e senhor de todas as terras nas cercanias, ordenou, para o melhor conhecimento dos deuses, que Suas imagens deveriam ser esculpidas em Runazar, e em todas as terras das cercanias. E, quando a ordem de Althazar, soprada longinquamente por trombetas, chegou tilintando aos ouvidos de todos os deuses, certamente alegraram-Se ao ouvi-la. Portanto, homens extraíram mármore das pedreiras, e escultores ocuparam-se em Runazar, a fim de obedecer o édito do Rei. Mas os deuses quedaram-Se sob a luz das estrelas, sobre as colinas, donde os escultores pudessem vê-Los, e enrolaram-Se em nuvens, e encenaram Seu ar mais divino, para que pudessem os escultores fazer justiça aos deuses de Pegana. Então, os deuses caminharam de volta a Pegana, e os escultores martelaram e labutaram, e veio então o dia no qual o Mestre dos Escultores, em audiência com o Rei, disse:

  "Althazar, Rei de Runazar e também Senhor de todas as terras nas cercanias, a quem os deuses favorecem, humildemente completamos as imagens de todos os deuses, tal como, em vosso édito, ordenastes."

  Então, o Rei ordenou que um grande espaço fosse aberto dentre as casas em sua cidade, e que, para lá, as imagens de todos os deuses fossem levadas e exibidas diante do Rei, e que se reunissem o Mestre dos Escultores e todos os seus homens; e, diante de cada um, postou-se um soldado, trazendo uma pilha de ouro sob uma bandeja de jóias, e, atrás de cada um, postou-se um soldado com uma espada desembainhada, próxima a seus pescoços, e o Rei mirou as imagens. E oh! Pairavam eles, como deuses, com as nuvens enroladas ao seu redor, fazendo o sinal dos deuses, mas seus corpos eram daqueles de homens, e oh! Suas faces eram muito semelhantes à do Rei, e suas barbas eram como a barba do Rei. E disse o Rei:

  "Tais são, em verdade, os deuses de Pegana".

  E os soldados diante dos escultores foram comandados a lhes presentear com as pilhas de ouro, e os soldados por detrás foram comandados a embainhar suas espadas. E clamou o povo:

  "Tais são, em verdade, os deuses de Pegana, cujas faces se nos permitem ver, pelo desejo de Althazar, o Rei, a quem os deuses favorecem". E mensageiros foram enviados afora, pelas cidades de Runazar e de todas as terras nas cercanias, proclamando, sobre as imagens:

  "Tais são os deuses de Pegana".

  Mas, acima, em Pegana, os deuses uivaram em fúria, e Mung adiantou-se para fazer o sinal de Mung contra Althazar, o Rei. Mas os deuses puseram Suas mãos sobre Seu ombro, dizendo"

  "Não o mate, pois não é o bastante que morra Althazar, o que fez as faces de deuses serem como as faces de homens, mas que ele não tenha sequer existido".

  Disseram, então, os deuses:

  "Porventura falamos de um Rei Altazar?"

  E disseram os deuses:

  "Não, jamais falamos".

  E disseram os deuses:

  "Porventura sonhamos com um certo Althazar?"

  E disseram os deuses:

  "Não, jamais sonhamos".

  Mas, no palácio real de Runazar, Althazar, subitamente desaparecido da memória dos deuses, deixou de ser algo que existiu ou que tivesse, um dia, existido.

  E, diante do trono de Althazar, repousa um robe, e, próximo a ele, repousa uma coroa, e entraram os clérigos dos deuses em seu palácio e o fizeram um templo para os deuses. E o povo, que vinha para adorá-los, disse:

  "A quem pertenceu este robe, e para qual propósito é esta coroa?"

  E responderam os clérigos:

  "Os deuses lançaram fora o fragmento de um vestuário, e oh! Das mãos dos deuses escorregou um pequeno anel".

  E disse o povo aos clérigos:

  "Sabendo que Runazar jamais teve um Rei, sede, portanto, vós nossos juízes, e fazei vós as nossas leis, à imagem dos deuses de Pegana".

O asceta e a puta

  No interior do país, vivia um sacerdote, praticante da mortificação dos sentidos e pregador do engrandecimento espiritual. Foi ensinado, desde a infância, sobre a importância dos rituais diários, das abluções sagradas e da meditação como instrumento de passagem do Eu para a consciência universal. Cresceu à sombra de um código rígido, entoado ao nascer do sol, copiado ao entardecer e recitado junto às cigarras. Pregava a transcendência do ser, passando pela rejeição do humano e do efêmero. Pregava às crianças e aos jovens, assim como, antes, outros haviam pregado para si, à época, ele, também, criança e jovem: "meus filhos, o caminho para os segredos de nossa cosmovisão passa pelo abandono da própria identidade. Não esperem encontrar, no cultivo de vossos vícios, a virtude. Digo-vos que a ascensão ao mais alto patamar do Universo se faz pela ojeriza ao humano, tal qual, para lançar-se ao ar, uma criança pressiona, com os pés, a terra, para dela livrar-se".
  Vivia do jejum nosso velho estoico, e fazia voto de trabalho. No vilarejo onde vivia, trabalhava junto ao povo, mas recusava o salário; para ele, o lavor era seu campo de batalha, sua guerra pessoal contra o próprio corpo. Esperava cultivar o enfraquecimento das próprias forças, para tornar éter a carne. Todo dia, um suplício. A vida, um eterno seppuku. Era amado no vilarejo, mas admoestava os que manifestassem afeto, pois o amor era o mais sutil dos venenos do ego. Alguns o desprezavam: riam-se dele nas ruas, e o ocorrido lhe era motivo de lágrimas de júbilo, pois o que trilha o caminho dos santos tem, como confirmação de sua santidade, o ódio das gentes comuns.
  Apesar de toda a retidão do levita, havia noites nas quais o sono lhe vinha custosamente. Remexia-se no colchão de cascalho, inquieto; nos limites da consciência, as defesas mentais do sacerdote não podiam evitar de arrefecer, e lembrava-se do dia de seu rito de passagem, ainda em sua juventude.
  Era costume, em seu templo, que os jovens noviços saíssem em peregrinação às cidades, como última prova requerida para fazerem parte da ordem. A urbe simbolizava a paixão humana, concentrada e cristalizada em sua mais pura essência infame, tomando todas as suas formas possíveis, ao mesmo tempo. Meses antes de partir, os monges responsáveis pelo aluno juntavam uma grande quantia com seu trabalho, e davam-na ao noviço. Chegando à cidade, o jovem tinha todo o luxo que o mundo lhe pudesse oferecer ao seu alcance. Apenas os que pudessem permanecer impassíveis frente à imundície humana eram aceitos como sacerdotes. Retornando de sua própria peregrinação, nosso sacerdote mostrara aos anciãos, moeda por moeda, a quantia que lhe havia sido dada, por inteiro, jogando-a, depois, ao rio, desdenhoso. Naturalmente, fora aceito, iniciado na seita, e passado a exercer as funções superiores no templo, como ditava o costume. Mas guardara para si o segredo de um encontro na cidade.
  No quinto dia de sua estadia na capital, adentrara na maior taverna que pôde encontrar: orgulhoso da observância que guardava para os preceitos de sua fé, o jovem noviço procurava resistir, face a face, o terror da vida mundana. Arrogantemente, encarava o exercício quase com diversão, e deixou repousando na mesa a vultosa quantia dada pelos mestres. Aproximou-se de si uma mulher da vida, buscando seduzi-lo. Calmamente, explicou-lhe que rejeitava o efêmero prazer que lhe ofereciam, em troca do eterno do Cosmos.

  "Não entendo sua gente. Todos os anos, vejo chegar homens como você, e aproximo-me de todos eles. Ainda não compreendo, porém, o que esperam obter com o que praticam", disse a moça.
  "Tampouco eu espero que entenda", o monge tornou-se ríspido. "Como pode alguém que se rende, diariamente, a si próprio, buscar compreensão do Universo em meio ao caos que é o próprio ser humano?"
  A moça riu, e lhe disse, ao pé do ouvido: "Mas não sabes que estás no caminho oposto? Não foste ao Oeste, a Roma? Lá, seus deuses representam, cada um, as paixões que teus irmãos buscam anular em si. Há deuses para o amor, deuses para a bebedeira, e até mesmo para a guerra. O próprio imperador é tido como outro deus; faz sentido! Ouça as histórias de seus sacerdotes, de como seus deuses entram em disputas entre si, por ciúmes, rivalidade ou mesmo por orgulho. O cotidiano mais ordinário faz parte do divino, do elevado: o que é a esposa ciumenta contra o marido, senão outro embate entre Juno e Júpiter? O soldado em combate não pode ser Marte?  Se as paixões que compõem o humano são divinas, porque não pode ser, também, o homem-todo, divino? Como pode a sua gente esperar transcender, se cada dia, para vós, é uma mortificação? Se destroem o Eu, destroem, junto com ele, o Cosmos."

  A memória lhe inquietava. Mais incômodo, porém, era a sensação de futilidade, de vida-perdida, desperdiçada em torturas autoinfligidas, em um culto ao nada-pelo-Nada. Nessas noites, percebia que havia se esvaziado, como ditavam os mestres, mas não havia sido cheio, como profetizavam os cânones. Nos momentos em que se entretinha com a lembrança da moça a lhe sussurrar no ouvido, sentia o corpo como não sentia durante todo o dia: doíam-lhe as costas, pelo trabalho, e a alma, pela estupidez. Sonhava que, ao voltar da cidade, passava pela vila e seguia para o Oeste, e ainda era jovem, e encontrava o Imperador, abraçava-o, e chorava, e era Deus, e enxergava o que passara anos tentando enxergar dentro do templo.
  Mas acordava só, no quarto vazio, e era velho e inútil.

Peter Singer e o delírio globalista

  Quando se ignoram os direitos individuais de um todo populacional e se passa a enxergar um aglomerado de Estados como equivalente a um aglomerado de indivíduos - equívoco, aliás, muito comum entre os teóricos das Relações Internacionais - surge o ambiente propício para que se concebam os mais bizarros e horrendos projetos políticos. Quando as falhas naturais à centralização do poder em Estados ficam evidentes, não há falta de quem proponha, como remédio, o veneno que causou a doença. Em maior ou menor escala, alguns estatistas perseguem, hoje, o ideal levantado pelo globalismo; talvez seja esse o exemplo mais claro da força coercitiva e estatizante, que busca, sempre, ampliar a si própria.
  Faça-se a definição exata do termo, antes de mais nada; pois a palavra "globalismo" é de uso amplo e polissignificante. Doravante, compreenda-se, aqui, "globalismo" como um projeto político de construção de uma autoridade global, com precedente sobre qualquer Estado nacional. As vias de tal processo passam pelo solapamento das soberanias nacionais e pela consolidação de um monopólio do uso da força por parte do Estado Global. Entenda-se, também, o termo "soberania" em sua acepção vestfaliana, isto é: o direito exclusivo de cada governo sobre as decisões relativas a seus assuntos domésticos.
  Singer expõe, a partir do exemplo dos governos Bush, seu ceticismo para com o respeito absoluto à soberania nacional, e afirma que, em um mundo interconectado como é o de hoje, a atitude mais responsável seria relegar a soberania em prol de uma organização global superior; a ONU, no caso. Ele acrescenta que as Nações Unidas deveriam possuir um maior poderio militar, e mecanismos representativos que freassem a concretização de ameaças unilaterais do uso da força, como foi o caso da guerra no Iraque. A todo o tempo, Singer não deixa de comparar seu modelo com o que chama de Pax Americana, aludindo ao projeto da direita americana de construir uma hegemonia militar direta dos EUA:

  "Em 'The War Over Iraq', livro que conclamava os norte-americanos a mover guerra contra o Iraque antes ainda de a guerra começar, Kristol e seu co-autor, Lawrence Kaplan, declararam abertamente o seu apoio à supremacia norte-americana. Depois de citar um crítico dessa idéia, eles perguntam: 'Ora, o que há de errado com a supremacia, se ela serve a princípios sólidos e ideais elevados?' Porém, se existe uma noção que resume os princípios sólidos e ideais elevados dos Estados Unidos, essa noção é a de democracia. Os defensores da democracia não podem concordar com a idéia de que um país de 300 milhões de habitantes deva dominar um planeta no qual moram 6 bilhões de seres humanos. São 5 por cento da população dominando os outros 95 por cento - sem o consentimento desses."

  Quando Singer ataca o ideal americano de supremacia, utilizando seus próprios valores, pensava ter dado o golpe definitivo e ter estabelecido a superioridade moral de uma autoridade global. O que ele deixa passar é que seus próprios contraargumentos podem ser utilizados contra sua proposta. O que é a democracia? A resposta padrão é "o governo da maioria"; está incorreta. A verdadeira essência da democracia está na formação de um governo minoritário, eleito por uma maioria. Na verdade, a camada estatal empregada por voto é extremamente pequena; a maior parte da máquina pública é gerida por burocratas, não eleitos. Nada em sua essência garante ao indivíduo o espaço do qual necessita. Os defensores do sistema democrático creem piamente que a voz da maioria é, por algum motivo ainda não explicado, mais sábia, e que essa seja a razão pela qual o resto da população lhe permita efetuar seus projetos. Enganam-se: a democracia traz a ilusão de um governo participativo. A maioria faz-se ouvir apenas por ser mais forte, e não mais sábia. O Estado, monopolizando a lei e o uso de força, encena um espetáculo para se legitimar e, ao mesmo tempo, confirmar a tese de que governa para o povo.
  Em outras palavras, os "defensores da democracia", caso dotados de uma honestidade colossal, não veriam problema em um governo de 5% sobre 95%. Talvez a proporção mereça um ajuste, pois quem governaria seria o Congresso, e não toda a população americana: consistindo o Congresso americano de 537 políticos eleitos, incluindo o Presidente e o Vice-presidente, o correto seria afirmar que uma supremacia americana consistiria em um governo de 0,0000895% sobre 99,9999105%. Como se vê, o Estado sempre será uma minoria, não importa a forma pela qual assuma o poder. Se levarmos em conta que, hoje, há 192 Estados-membros da ONU, remover a soberania de todos esses Estados e fundi-los em um único Megaestado só agravaria a discrepância numérica.
  Vejamos o que mais Singer tem a dizer sobre o projeto globalista:


"[...] a 'Pax Americana' pressupõe um governo semelhante ao que foi imaginado no século XVII pelo filósofo Thomas Hobbes, um governante dotado de muito poder e nenhuma autoridade moral, e um mundo no qual os conflitos não são resolvidos, mas meramente suprimidos. Glover prefere a visão de mundo proposta pelo filósofo setecentista alemão Immanuel Kant no livro 'À paz perpétua'. Kant defende um sistema no qual os Estados entregam a uma federação mundial o monopólio do uso da força. A federação mundial seria dotada da autoridade moral de uma organização estabelecida pelo consenso das nações e tomaria suas decisões de maneira imparcial. No mundo moderno, isso equivale a uma Organização das Nações Unidas reformada, dotada de força militar suficiente e de procedimentos imparciais pelos quais possa decidir quando usar essa força."

  Primeiramente: quando é feita a referência ao "uso da força", pode-se entender duas coisas: a primeira como a capacidade de manter policiamento interno, e a segunda como o poder de manutenção de exércitos permanentes, para ações de defesa contra agentes externos. Talvez por entusiasmo, Singer projeta uma força militar para a ONU, esquecendo-se que mesmo Kant, o idealizador de seu Megaestado, já havia dito que os exércitos permanentes deveriam ser dissolvidos. Da própria fonte:


"3. «Os exércitos permanentes (miles perpetuus) devem, com o tempo, de todo desaparecer.» Pois ameaçam incessantemente os outros Estados com a guerra, devido à sua prontidão para aparecerem sempre preparados para ela; os Estados incitam-se reciprocamente a ultrapassar-se na quantidade dos mobilizados que não conhece nenhum limite, e visto que a paz, em virtude dos custos relacionados com o armamento, se torna finalmente mais opressiva do que uma guerra curta, eles próprios são a causa de guerras ofensivas para se libertarem de tal fardo."

   Em um cenário no qual múltiplos Estados ameaçam-se com exércitos, o que se pode imaginar da situação na qual apenas um governo mantém o direito de erguer tropas? Se, de acordo com os próprios pressupostos aceitos por Singer e por Kant, a tendência do Estado armado é a belicosidade, o que se poderia esperar do trato dispensado por um governo global minoritário a seus súditos?
  Vê-se,na aventura estatista quixotesca de Singer, o famoso reductio ad absurdum hobbesiano: pressupõe-se uma necessidade de governo entre os indivíduos, devido à sua natureza belicosa. Ao se contestar que o governo seria formado pelos mesmos indivíduos mal intencionados, tenta-se remediar o problema criando-se um Estado maior, supervisor do menor. O empilhamento de autoridades não termina, a não ser que se perceba que a ideia com a qual se trabalha é impraticável e falaciosa. No final, o que se constata é que soubemos diagnosticar o problema, isto é, a coerção estatal, mas insistimos em usá-lo como solução de si próprio.
  A única forma de alcançar algum tipo de governo que verdadeiramente governe para seus governados é a refutação do contrato social; assumir os direitos individuais, como propriedade e livre associação, e permitir ao indivíduo que se governe como lhe for conveniente. Aceitar que uma casta de governantes pode decidir, por si só, como planejar a economia e o convívio social de forma satisfatória, é absurdo. Considere-se que, em sua vida, um ser humano tenha dois objetivos: manter-se vivo e encontrar sentido para sua vida. O primeiro subdivide-se em outros problemas, como prover comida e moradia, obter recursos para se manter, gerando-os através de algum trabalho. O segundo é preenchido das mais variadas formas, desde uma vida hedônica até a devoção religiosa ou o trabalho artístico. Seja, então, dois o número de problemas que todo ser humano deve resolver constantemente, caso deseje permanecer vivo. Considerando que cada indivíduo gere a si mesmo, cada um tem apenas dois problemas a resolver. Quando se delega a vida de um aglomerado de indivíduos a uma porção menor, o que se observa é uma multiplicação de problemas: por parte do Estado, seus funcionários agora terão que pensar por, no mínimo, duas pessoas. Por parte dos governados, esses ainda precisam dar conta de seus próprios problemas, pois delegá-los a outros não os resolve instantaneamente. Voltando ao Estado, esse é, naturalmente, ineficiente, pois seus burocratas não têm conhecimento total dos detalhes de quem buscam saciar. Some-se isso à interferência do estado nas relações econômicas indivíduo-a-indivíduo, e o que teremos é um Estado não só ineficiente em cumprir sua função como também estorvante a cada indivíduo.
  Tendo em vista que um governo visaria sua própria reeleição, é de se esperar que ele atenderia apenas aos interesses de seus eleitores, contrariamente à ideia de que um Estado democrático governaria em prol do bem comum, ignorando-se aqui a impossibilidade de definir o que seria um "bem comum" a toda a população planetária. Como diz Hoppe:


"Imagine um governo mundial, democraticamente eleito de acordo com o princípio — também em escala mundial — do 'um homem-um voto'.  Qual seria o provável resultado dessa eleição?  O mais provável é que teríamos uma coalizão governamental entre chineses e indianos.  E o que tal governo estaria mais propenso a fazer com o intuito de agradar seus partidários e ser reeleito?  Ele provavelmente iria achar que o chamado mundo ocidental tem riqueza em excesso e que o resto do mundo, em particular a China e a Índia, tem pobreza em excesso — e que, portanto, uma sistemática redistribuição de renda e riqueza seria necessária.Ou imagine, no seu próprio país, que o direito ao voto fosse ampliado para crianças de sete anos.  Embora o governo eleito provavelmente não viesse a ser formado por crianças, suas políticas certamente iriam refletir as 'demandas legítimas' das crianças, que passariam a ter um 'adequado' e 'igual' acesso a hambúrgueres, refrigerantes e videogames 'gratuitos'.''

  Com tudo isso em consideração, haveria alguma base real para expandir o território de um Estado? Singer trata o Estado como um indivíduo, e não como um grupo criminoso que parasita toda uma população. Contenta-se em afirmar que o governo se configura como uma instituição pro bono publico. O que Singer sugere, quer saiba ou não, é mais um passo na legalização do roubo estatal, dessa vez, elevado a um nível global, com um estreitamento desse monopólio.
  Em face a problemas causados pelo Estado - guerras internacionais, intervenção econômica, inflação -, não faz sentido pregar que o Estado resolva os problemas que ele mesmo criou. A solução jaz no caminho oposto.

Fonte:

http://www.lusosofia.net/textos/kant_immanuel_paz_perpetua.pdf

http://anarcocapitalismo.com.br/2015/06/01/a-democracia-nao-e-a-solucao-e-o-problema/

SINGER, Peter, "A Ética da Globalização"

"Homenagem a 'Cidades Invisíveis', de Italo Calvino", ou "Ordina"

  Quando perguntado sobre este ou aquele lugar, o viajante costuma concentrar a narrativa nos pontos de destaque: as maravilhosas proezas da arquitetura, o poderio dos arranha-céus, a opulência do Palácio Real ou a grandeza das muralhas externas. Todo o resto não precisa ser contado, pois o ouvinte será capaz de construí-lo ao redor dos monumentos descritos. Tomada apenas como um aglomerado de edifícios, uma cidade só difere da outra por suas obras de arte, ímpares e dessemelhantes entre si.
  Da cidade de Ordina, pouco tem a se falar. Por ela, o peregrino vaga, em busca de algo grandioso para lhe servir de ponto de apoio à memória, mas nada encontra, de forma que, dela, nada apreende, e não é capaz de informar sobre a cidade; o mais desatento crê estar de passagem por um subúrbio mais distante e menos decorado de outra metrópole, e projeta sua atenção para as maravilhas por vir ou para as que passaram. Seja por confusão ou por descuido, a imagem do local é volátil para a mente.Mesmo para o mais detalhista, é impossível descrever Ordina: a medida das casas, o espaçamento das calçadas, os varais com roupas ao sol, a ponte sobre o rio, tudo o que for ilustrado não trará à mente do ouvinte uma cidade apenas, mas todas. Especula-se que Ordina seja um arquétipo urbano, contendo apenas o que todas as cidades têm em comum. Sobre isso, desenvolveu-se a ideia de que toda cidade contém, portanto, em si, uma Ordina própria, exatamente igual à primeira. Se, em sua narrativa, o viajante for pressionado a nomear algo que distinga Ordina dos outros lugares que visita, limitar-se-ia simplesmente a dizer que sua singularidade está em sua ausência do singular.Por muito tempo, foi apenas isso que se soube da cidade.
  Recentemente, porém, recebi notícias de um turista que se dirigiu a Ordina, com o intuito de decifrar seu enigma definitivamente. Certamente, não se trata do primeiro a empreender a ousada tarefa, mas difere dos outros, justamente, por ter obtido sucesso. Contam-me que, ao invés de buscar a resposta na cidade, preferiu interrogar os cidadãos ordinários. Sobre a pergunta: "por que não erigem para si um monumento para a glória de sua cidade?", conta o turista que recebeu a mesma resposta de todos que entrevistou:"A cidade é o produto de nossa existência, e não seu fim. Qualquer extravagância encontrada em um local está ali apenas por acaso; certamente, não fosse um ou outro capricho do destino, teria sido construída em outra cidade, por outras mãos. Ao nada erguer para nós, lembramos a nós mesmos que temos o potencial de tudo erguer. Da mesma forma que todas as cidades contém Ordina, Ordina contém todas as cidades."

Eutanásia e Direito de morrer

  Não é recente a ideia de permitir aos doentes terminais um fim a seu sofrimento, ao propiciar-lhes uma morte indolor, ou, simplesmente, ao deixar que a natureza tome seu curso. Entretanto, a mudança da configuração legislativa e ética na Medicina transformou um ato emblemático de misericórdia e empatia pela condição humana em um sacrilégio aos olhos da legislação estatal.
  A partir do século XIX, a Medicina começa um avanço nunca antes visto. Da descoberta da vacina antirrábica por Louis Pasteur até a primeira síntese de penicilina por Alexander Fleming, não faltam exemplos para ilustrar o grande salto dado após o casamento entre o ainda jovem método científico e a tradição milenar médica. A título de exemplo, de 1937 a 1944, a mortalidade por Staphylococcus aureus foi reduzida de 80% para 25%. Não é de se impressionar que tais descobertas tivessem causado um otimismo que beirava a euforia na classe médica: pela primeira vez, na história da Medicina, falava-se seriamente na erradicação de todas as doenças. Infelizmente, não foi o que de fato se sucedeu: novas cepas bacterianas, resistentes às drogas miraculosas, emergiram e, com o envelhecimento da população, começaram a surgir as doenças crônicodegenerativas.
  O novo cenário epidemiológico trouxe problemas de ordem prática e técnica. Além disso, novas questões éticas surgem, frente à atual situação. No olho do furacão, está a eutanásia.
  Porém, não é o caso de uma problemática gerada exclusivamente no âmbito médico: toda a nova valoração pela qual a eutanásia foi envolvida precisa ser contextualizada.
  Em sua “História da sexualidade”, Foucault aponta uma mudança nas estruturas de poder do século XIX. Aos soberanos de outrora, era-lhes dado o “direito da morte”, representado pelo símbolo do gládio, isto é, em suas mãos, era-lhes dada a capacidade de expôr seus súditos à morte, caso sua própria vida estivesse em perigo. Seja pela execução de insurgentes como pelo recrutamento obrigatório para a guerra em sua defesa própria, o “direito da morte” era exercido pelo governo. Não se trata de algo pré- estabelecido: em “A anatomia do Estado”, Rothbard ilustra o método usado pelo Estado para obter a complacência de seus súditos quanto ao domínio de seus direitos individuais:
“Uma vez que a maioria das pessoas tende a amar a sua terra natal, a identificação dessa terra e do seu povo com o estado foi um meio de usar o patriotismo natural para benefício do próprio estado. Se a "Ruritânia" estivesse sendo atacada pela "Uldávia", a primeira função do estado e dos seus intelectuais seria convencer as pessoas da Ruritânia que o ataque era dirigido a eles e não apenas à casta dominante. Desta forma, uma guerra entre governantes seria transformada numa guerra entre povos, em que a massa dos indivíduos agiria em defesa dos seus governantes sob a falsa crença de que os governantes estariam agindo em defesa de seus indivíduos. Este apelo ao "nacionalismo" tem sido útil, no Ocidente, apenas em séculos mais recentes; não há muito tempo, a massa de súditos olhava para as guerras como batalhas irrelevantes entre diversos grupos de nobres.”
  Ao longo do século XIX, o “direito da morte” passará por um remodelamento. A época das pestes e da fome torna-se passado, o que faz da vida mais do que uma simples busca pela sobrevivência diária. Com o arrefecimento da pressão biológica e do enfraquecimento do signo da Morte, conquistados pela modernização das técnicas agrícolas no século XVIII e consolidados pelo avanço da Medicina nos séculos XIX e XX, a vida passa a ser encarada como um processo mantido por áreas de saber específico, que exercem o poder de controlá-la e de mantê-la. É nesse contexto que o “direito sobre a morte” se transformará no “poder sobre a vida”. Voltemos a Foucault:
 “A velha potência de morte em que se simbolizava o poder soberano é agora, cuidadosamente, recoberta pela administração dos corpos e pela gestão calculista da vida. Desenvolvimento rápido, no decorrer da época clássica, das disciplinas diversas – escolas, colégios, casernas, ateliês; aparecimento, também, no terreno das práticas políticas e observações econômicas, dos problemas de natalidade, longevidade, saúde pública, habitação e migração; explosão, portanto, de técnicas diversas e numerosas para obterem a sujeição dos corpos e o controle das populações. Abre-se, assim, a era de um “bio-poder”.”
  É compreensível que as estruturas de poder tenham mudado: a Morte deixa de figurar como algo ubíquo na vida individual e passa a ser encarada como um evento longínquo - improvável, pelo menos, até a velhice. Em uma era na qual a vida pode ser prolongada e melhorada pelas mais diversas técnicas, a lógica do temor da Morte perde parte de seu poder. Para manter o controle sobre seus súditos, é necessário ao Estado uma nova estratégia: ao invés de instigar medo em seus governados, é preciso, mais do que nunca, propagar a crença de que ele é o principal agente nesta nova cruzada técnicocientífica em busca do bem estar do indivíduo. O autoritarismo e o absolutismo revestem-se com a tecnocracia: é preciso criar a aparência de um Estado moderno, na vanguarda das novas descobertas científicas, sempre disposto a buscar novas formas de aumentar a qualidade de vida dos súditos. A tradicional aliança do Estado com a classe intelectual passa a ser mais importante do que nunca. Rothbard elucidará o contexto:
“Na nossa atual e mais secular época, o direito divino do estado foi suplantado pela invocação de um novo Deus, a Ciência. O governo estatal é agora proclamado como ultracientífico, como constituído por um painel de especialistas. Mas mesmo com a "razão" sendo mais invocada hoje do que em séculos passados, essa não é a verdadeira razão do indivíduo e do exercício do seu livre arbítrio; é ainda a razão coletivista e determinista, que implica sempre agregados holísticos e a manipulação coerciva de súditos passivos feita pelos seus governantes. O aumento do uso de jargões científicos permitiu aos intelectuais do estado tecer justificativas obscurantistas para o domínio estatal as quais teriam sido imediatamente recebidas com zombaria e escárnio pela população de uma época mais simples. Um assaltante que justificasse o seu roubo dizendo que na verdade ajudou as suas vítimas, pois o gasto que fez do dinheiro trouxe um estímulo ao comércio, teria convencido pouca gente; mas quando esta teoria se veste com equações keynesianas e referências impressivas ao "efeito multiplicador", ela infelizmente é recebida com maior respeito. E assim prossegue o ataque ao bom senso, em cada época realizado de maneira diferente.”
  É justamente nesse ínterim que é promulgada a Constituição de 1988, no Brasil: em seu Artigo 196, fica determinado que a saúde é “um direito de todos e dever do Estado”. Entretanto, não basta apenas isso: deve-se aleijar qualquer iniciativa privada no meio dos serviços de saúde. É preciso que o Estado seja visto como o único fornecedor dos serviços almejados pela população, ou, ao menos, como o único fornecedor confiável. Não é de se surpreender que o governo tenha usado de todo esforço para regular a inciativa privada, especialmente, no que diz respeito à saúde: a lei de número 9.656, que dispõe acerca de serviços privados de saúde, já coleciona mais de 200 medidas provisórias aprovadas, a maioria tendo incluído parágrafos em sua redação, e não removido. Em resumo: os serviços privados são, paulatinamente, enfraquecidos, como forma de demonstrar a superioridade do Estado sobre o setor privado e sobre o livre mercado, ganhando, assim, a confiança do povo. Rothbard mostra que há sempre um processo de ridicularização da noção de “indivíduo” em prol do “coletivo”, com o intuito de implantar na população a desconfiança de qualquer iniciativa privada:
 “Outra potente força ideológica é desaprovar e rebaixar o indivíduo e exaltar a coletividade da sociedade. Pois uma vez que qualquer tipo de domínio implica uma aceitação da maioria, qualquer perigo ideológico para o domínio pode começar apenas a partir de um ou de poucos indivíduos que demonstrem ter pensamento independente. A ideia nova, e principalmente a ideia nova e crítica, só pode ter início como uma pequena opinião minoritária; como tal, o estado tem de cortar a ideia pela raiz, ridicularizando qualquer ponto de vista que desafie a opinião das massas.”
  Apesar de almejar enfraquecer o setor privado, é vital para o Estado mantê-lo existente, desde que sob controle, para que sempre seja possível manter o maniqueísmo público-privado vivo e a seu favor. Além disso, a lei nº9656 subordina qualquer provedor de serviços de saúde aos Conselhos Federais de Medicina e Odontologia. Mesmo fora do poder público, o Estado mantém controle dos serviços prestados ao indivíduo. E é através desse controle, que foi inserida a criminalização da eutanásia. Observemos o atual Código de Ética Médica:
“É vedado ao médico: [...]Art.41 Abreviar a vida do paciente, ainda que a pedido deste ou de seu representante legal. Parágrafo único. Nos casos de doença incurável e terminal, deve o médico oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapéuticas inúteis ou obstinadas, levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente ou, na sua impossibilidade, a de seu representante legal.”
  O paradoxo presente no trecho salta aos olhos: é proibido ao médico abreviar a vida de um paciente, ao mesmo tempo em que lhe é vedado realizar procedimentos terapêuticos inúteis em caso de doença incurável ou terminal. A informação omitida aqui é a de que, em um mal incurável ou terminal, qualquer procedimento terapêutico que vise a cura é inútil, ou seja, apenas cuidados paliativos são válidos. Quando o Artigo 41 do Código de Ética Médica é analisado sob essa ótica, percebe-se que o médico é proibido tanto de tentar abreviar a vida de seu paciente quanto de tentar curá-lo do que o está matando.
  O artigo supracitado reflete a lógica atual sob a qual a Medicina foi sujeitada. Não se trata mais de um encontro individual entre médico e paciente, pautado em relações de troca livres e voluntárias. Atualmente, foi concedido ao médico um status semidivino, elevado ao posto de guardião da vida do paciente. Tal condecoração espúria viola tudo o que se havia configurado na prática médica em tempos anteriores; pois o médico é, em última análise, um servo, tendo, como lei maior, a vontade de seu paciente. Naturalmente, tal relação é passível de atritos, e é normal que o médico hesite em atender ao desejo do paciente de abreviar sua vida. Porém, algo muito diferente de um conflito de interesses é a pré-determinação de condutas realizada pelo Estado, através do CFM e do vigente Código de Ética Médica. Uma relação de trocas voluntárias e espontâneas como a médico-paciente está, hoje em dia, impregnada de uma valoração artificialmente implantada pela força e pela coerção estatais.
  Nessa nova configuração ética, enxerga-se tudo o que foi mencionado aqui: o controle do Estado sobre a vida individual, sob o pretexto de zelar pelo bem do cidadão, o descaso com o indivíduo frente ao coletivo, a manipulação do ambiente privado e a implantação de valores estatais em seu âmbito.
  Entretanto, não se enxergue aqui a classe médica como unicamente uma vítima. O novo sistema valorativo, que pauta o médico em uma posição soberana para com a vida do paciente, foi, justamente, o que cooptou o médico a ser conivente com essa brutal violação das liberdades individuais. La Boétie evidencia que, frente a um poder coercivo maior, é comum que grupos de poder submetidos a essa força superior se formem, e a classe médica, atualmente, é um deles:
“Sempre que um governante se faz ditador todos aqueles que se deixam corromper pela ambição desmedida ou por uma avareza extraordinária, reúnem-se em torno dele e apoiam-no para que possam ficar com uma porção do espólio e para se instalarem como pequenos chefes abaixo do grande tirano.”
  Veloso apresenta um ataque ao direito de morrer, configurando a eutanásia como, “em qualquer hipótese, um homicídio”. Em seu livro “Direito Médico”, há algumas considerações iniciais, antes que seus argumentos sejam mais profundamente expostos. São algumas delas:
“O médico vai sendo influenciado a seguir os passos dos moribundos e a agir com mais sprit de finesse, orientado por uma nova ética fundada em princípios sentimentais e preocupada em entender as dificuldades do final da vida humana […]. Neste instante, é possível que a medicina venha rever seu ideário e suas possibilidades, tendo a “humildade” de não tentar “vencer o invencível”. […] Pode a eutanásia ser discutida em torno de interesses emocionais ou econômicos, mas não encontrará jamais justificativas na lei natural do homem e na ciência do médico. As razões de ordem jurídica e médica valem mais, neste particular”
  Nesse pequeno preâmbulo, já se percebe um profundo descaso com o direito individual de cada um sobre sua própria vida. Note-se que essa consideração não é sequer mencionada no trecho. Ao contrário: a “ciência do médico” retoma o conceito tecnocrático e coletivista aqui discutido. O autor também faz um apelo à “lei natural do homem”. Aqui, não fica claro:

A) que lei natural é esta
B) se tal lei natural realmente existe

  Porém, a incoerência maior é esta: se o homem deve se submeter a uma lei natural, simplesmente por ela ser natural, que lei não seria mais óbvia, mais clara, e mais natural do que a morte? Sob essa análise, não seria a Medicina, essencialmente, antinatural? Veloso parece ter sido incapaz de detectar esse problema de ordem lógica, e sua abordagem jusnaturalista da lei também teria sido incapaz de resolvê-lo, ainda que o percebesse.
  A superioridade da lei sobre o direito individual é ferozmente contestada por Thoreau, em “A desobediência civil”:

“Deve o cidadão, sequer por um momento, ou minimamente, renunciar à sua consciência em favor do legislador? Então por que todo homem tem uma consciência? Penso que devemos ser homens, em primeiro lugar, e depois súditos. Não é desejável cultivar pela lei o mesmo respeito que cultivamos pelo direito. A única obrigação que tenho o direito de assumir é a de fazer a qualquer tempo aquilo que considero direito.”
  Os que defendem que o indivíduo submeta-se à Lei partem de um duplo pressuposto: o primeiro, de que o legislador é completamente altruísta e sempre disposto a legislar em favor do bem comum; o segundo, de que o legislador é inteiramente dotado de intelecto e competência para tal. Mesmo o argumento de que tais pressupostos possam ser satisfeitos é contestado por Hayek:
“Este é o fato fundamental em que se baseia toda a filosofia do individualismo. Ela não parte do pressuposto de que o homem seja egoísta ou deva sê-lo, como muitas vezes se afirma. Parte apenas do fato incontestável de que os limites dos nossos poderes de imaginação nos impedem de incluir em nossa escala de valores mais que uma parcela das necessidades da sociedade inteira; e como, em sentido estrito, tal escala só pode existir na mente de cada um, segue-se que só existem escalas parciais de valores, as quais são inevitavelmente distintas entre si e mesmo conflitantes. Daí concluem os individualistas que se deve permitir ao indivíduo, dentro de certos limites, seguir seus próprios valores e preferências em vez dos de outrem; e que, nesse contexto, o sistema de objetivos do indivíduo deve ser soberano, não estando sujeito aos ditames alheios. É esse reconhecimento do indivíduo como juiz supremo dos próprios objetivos, é a convicção de que suas ideias deveriam governar-lhe tanto quanto possível a conduta que constitui a essência da visão individualista.”
  Quando se analisa a legislação vigente sob essa perspectiva, percebe-se que ela não age em prol do bem do indivíduo. Não apenas isso: afirmar o contrário beira o absurdo. Pois o Estado detém o monopólio das leis: é ele quem a cria e a executa, sempre em benefício próprio. E é ele o juiz de todas as causas, inclusive a própria. É sobre essa injustiça imanente à lei estatal a qual Thoreau se refere:
“A lei jamais tornou os homens mais justos, e, por meio dela, mesmo os mais bem-intencionados transformam-se diariamente em agentes da injustiça.”
  Com as devidas contextualizações, os mais diversos pontos de vista, argumentos e citações aqui expostos, fica clara a conclusão a que se chega: a de que o indivíduo é o senhor supremo de sua própria vida, não devendo essa soberania ser violada por nenhuma entidade, seja ela individual ou coletiva. O máximo que se pode conceder como direito ao médico, nesse cenário, é o de se recusar a acompanhar um paciente que deseja a eutanásia, transferindo a tarefa a outro, que esteja de acordo em colaborar com o doente. Não se pode reduzir o sofrimento humano em uma questão de sucesso ou de fracasso profissional, ainda que seja natural se sentir falho defronte o paciente desejoso de morrer. A imparcialidade é, e sempre deve ser, qualidade fundamental do médico, no exercício de sua profissão, não devendo ser, sob hipótese alguma, abandonada em prol de uma presumida vontade de fazer o bem. Não é dever de ninguém proteger o indivíduo de si mesmo.


Referências:

THOREAU, Henry David, “A desobediência civil” FOUCAULT, Michel, “História da sexualidade” ROTHBARD, Murray N., “A anatomia do estado” DE FRANÇA, Genival Veloso, “Direito Médico” LA BOÉTIE, Etienne de, “Anti-dictator” apud ROTHBARD, Murray N., “A anatomia do estado” HAYEK, Friedrich A. Von, “O caminho da servidão” http://www.portalmedico.org.br/novocodigo/integra_5.asp http://jac.oxfordjournals.org/content/61/2/246.full http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9656.htm